sexta-feira, 28 de outubro de 2011

A IMPORTÂNCIA DA FAMÍLIA NO AMBIENTE ESCOLAR



Paula Pereira da Silva Belem[1]


"O comportamento humano não é pré-determinado, como nos animais. Temos o poder de mudar o futuro, de mudar nosso comportamento já no próximo momento. Podemos mudar por amor, por querer bem a uma pessoa amada, a um filho, à humanidade”. (Içami Tiba)

INTRODUÇÃO
   Por acreditar que a família é o suporte fundamental para o bom desempenho escolar dos filhos, verificou-se que não são somente os pais que contam com a escola, mas esta, igualmente, conta com eles. Os primeiros anos de escolaridade são muito importantes a todo o ser humano. Nesse período, podem aparecer problemas de toda a ordem: seja de cunho afetivo-emocional, de dificuldades de aprendizagem. O trabalho conjunto entre família escola pode, sem dúvida, ajudar a criança a superar essas dificuldades transformando a escola, além de um espaço de aprendizagem, um importante espaço de convivência humana.

OBJETIVO

   O objetivo do presente estudo tem por meta apresentar um estudo reflexivo baseado nos resultados de uma pesquisa realizada em crianças com idades entre 06 e 07 anos, estudantes do Ensino Fundamental, observando o envolvimento dos pais no processo educacional de seus filhos em parceria com a escola.


METODOLOGIA

   Partiu-se de uma pesquisa teórico-bibliográfica  e de cunho psicopedagógico, que pudessem embasar novas propostas de sensibilização e ação conjunta entre familiares de educandos de uma classe do ensino fundamental e escola,

 

CONSIDERAÇÕES SOBRE O ESTUDO

   O interesse em realizar a pesquisa surgiu da necessidade em aproximar as famílias do ambiente escolar. Mediante minhas experiências anteriores de 18 anos de escola pública, percebendo que os entraves situacionais se repetiam na unidade em que trabalho atualmente; procurei tecer novos objetivos e propostas educacionais que visassem a uma aproximação e interação entre ambas, a favor do educando e de seu aprendizado. A pesquisa foi realizada com 30 alunos do 1º ano do Ensino Fundamental, em uma EMEF localizada em um município da grande São Paulo. Os alunos estavam sem professor fixo de maio a outubro do ano de 2009, portanto, estavam com sérios problemas de indisciplina e aprendizagem. Assim, o primeiro passo foi realizar uma reunião de pais em caráter de urgência, pois era necessário compartilhar com os pais a realidade da classe. Durante a reunião foi proporcionado aos pais um momento de reflexão, para pensarem sobre o ambiente escolar de seus filhos, conforme visão de TIBA (1996), “O ambiente escolar deve ser de uma instituição que complemente o ambiente familiar do educando, os quais devem ser agradáveis e geradores de afetos. Os pais e a escola devem ter princípios muito próximos para o benefício do filho/aluno”. Os pais foram orientados, conforme uma perspectiva psicopedagógica, a estabelecer rotinas que contribuíssem para a aprendizagem de seus filhos, como: a hora da lição de casa.


CONSIDERAÇÕES FINAIS

   Durante a observação nas relações família e filhos, foram notados que os alunos os quais recebiam acompanhamento dos familiares nas realizações das tarefas escolares, em comparação com aqueles alunos cujos familiares supostamente não os acompanhavam, obtiveram um melhor desempenho na aprendizagem. Notou-se que, dos 30 alunos observados, apenas cinco não obtiveram progresso, tanto no que se refere à aprendizagem quanto ao comportamento. Além disso, é importante ressaltar que desses cinco alunos, apenas dois eram filhos de pais separados, residindo, portanto apenas com a mãe. Com o trabalho de sensibilização, numa perspectiva psicopedagógica, os demais pais participaram ativamente da vida escolar de seus filhos; percebendo que vida escolar e vida familiar são simultâneas e complementares. Conforme SZYMANSKI (1997), “Uma condição importante nas relações entre família e escola é a criação de um clima de respeito mútuo - favorecendo sentimentos de confiança e competência, tendo claramente delimitados os âmbitos de atuação de cada uma”. É preciso procurar reconhecer que a escola sozinha não consegue atingir os objetivos, mas quando há o envolvimento das famílias há, também, o êxito dos alunos na aprendizagem, tanto escolar como na educação de valores, que são fatores válidos não somente no contexto escolar, mas para vida.





REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1-Althuon, Beate. Reunião de pais: sofrimento ou prazer? / Beate Althuon, Corinna Essle, Isa S. Stoeber. – São Paulo: Casa do Psicólogo, 1996.

2-TIba, Içami. Disciplina, limite na medida certa. São Paulo: Gente, 1996.

3-Tiba, Içami. Seja feliz, meu filho: Como as expectativas dos pais podem favorecer ou prejudicar o crescimento do adolescente / Içami Tiba. – 16 ed. - São Paulo: Editora Gente, 1995.

4-Maldonado, Maria Tereza. Comunicação entre pais e filhos: a linguagem do sentir / Maria Tereza Maldonado. – 27 ed. - São Paulo: Saraiva, 2004.

5-Ferreira, Márcia. Ação Psicopedagógica na sala de aula: uma questão de inclusão/ Márcia Ferreira. – São Paulo: Paulus, 2001.

9-Szymanski, Heloísa. Encontros e Desencontros na Relação Família-Escola. In: SÃO PAULO. Secretaria de Estado da Educação. Os desafios enfrentados no cotidiano escolar. (Série Idéias n° 28). São Paulo: FDE. 1997. p. 213-225.






[1] Licenciada em Ciências Biológicas pela Universidade Braz Cubas – Licenciada em Pedagogia pela Universidade Bandeirante de São Paulo e Pós -graduada em Psicopedagogia pela Universidade de Guarulhos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário